nnn

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Consumidores ainda preferem correspondências físicas!



Entre uma Carta de Amor e outra, um dado estatístico.


"A praticidade do envio de e-mails e mensagens de textos no celular não foi capaz de fazer os consumidores abandonarem as cartas. De acordo com pesquisa da Leflein Associates, divulgada pela Pitney Bowes Semco, mesmo na era da comunicação digital a correspondência física ainda é a preferida: 95% dos entrevistados abrem regularmente cartas e pacotes e gostam mais deles do que de telefonemas ou meios digitais.

Independente do conteúdo, os consumidores dão destaque para catálogos, faturas e itens promocionais. Boa parte do alto índice de aceitação das cartas está no fato, segundo o relatório, de que elas são mais seguras, privadas e confidenciais. Outro ponto é que as correspondências físicas geralmente são percebidas por serem provenientes de uma fonte confiável.

Quando o assunto é Marketing, as mensagens promocionais, personalizadas e setorizadas inseridas em boletos ou extratos, chamadas de transpromo, têm índice de até 83% de abertura e leitura imediatamente após o recebimento. O retorno nesse tipo de ação chega a aproximadamente 30%.

Na hora de abrir a correspondência, os consumidores levam em conta as mensagens coloridas. Títulos com cores e imagem na parte da frente da carta aumentam a taxa de abertura em 69%, em comparação com um mesmo envelope em branco. No local de trabalho, esse índice é de 23%. A parte de trás também é lembrada: 44% dos participantes da pesquisa a observam quando recebem uma correspondência em casa ou no trabalho."

Fonte: abril.com.br

domingo, 22 de julho de 2012

5 cartas de amor escritas por personagens históricos

Amigos, 
como eu coleciono cartas de amor de famosos, como as de Abelardo para Heloísa, de Machado de Assis para sua querida Carolina Augusta, e tantas outras cartas de celebridades literárias, encontrei algumas que não conhecia e venho compartilhar com todos vocês:- Enjoy!


1. De Beethoven para sua Amada Imortal "Beethoven declarou-se a uma amada imortal, desconhecida até hoje. Napoleão errou a mira e escreveu cartas de amor para uma pretendente infiel. Marx trocou mensagens românticas com sua noiva para driblar as proibições dos pais da moça. Lewis Carroll, escritor de Alice no país das maravilhas, declarou-se para uma menina que conheceu quando ela tinha 9 anos e ele já estava na casa dos 30. Yoko Ono continuou declarando seu amor para John Lennon 27 anos após o cantor ser assassinado.
História sem fim reuniu cinco cartas de amor de quem marcou a História. São documentos de diferentes épocas, escritos por personagens de diferentes áreas, vivendo em contextos diferentes. Confira como cada um expressou seu amor e conte: qual é sua favorita?
Após a morte do gênio em 1827, seu assistente, Anton Schindler, encontrou uma carta de amor guardada entre os pertences do compositor. Em 1840, Schindler publicou uma biografia sobre Beethoven e divulgou o material. Somente o dia e o mês estão registrados na carta. O local em que a carta foi escrita e o nome da destinatária – identificada na carta como “Amada Imortal” – não aparecem. A história inspirou o filme “Minha Amada Imortal”, de 1995.
Em 1880, a carta foi comprada pela Biblioteca Estatal de Berlim, onde permanece até hoje. Leia:
 
“Meu anjo, meu tudo, meu próprio ser – Hoje apenas algumas palavras à caneta (à tua caneta). Só amanhã os meus alugueres estarão definidos – que desperdício de tempo… Por que sinto essa tristeza profunda se é a necessidade quem manda? Pode o teu amor resistir a todo sacrifício embora não exijamos tudo um do outro? Podes tu mudar o fato de que és completamente minha e eu completamente teu? Oh Deus! Olha para as belezas da natureza e conforta o teu coração. O amor exige tudo, assim sou como tu, e tu és comigo. Mas esqueces-te tão facilmente que eu vivo por ti e por mim. Se estivéssemos completamente unidos, tu sentirias essa dor assim como eu a sinto. [...] Nós provavelmente devemos nos ver em breve, entretanto, hoje eu não posso dividir contigo os pensamentos que tive nos últimos dias sobre minha própria vida – Se os nossos corações estivessem sempre juntos, eu não teria nenhum… O meu coração está cheio de coisas que eu gostaria de te dizer – ah – há momentos em que sinto que esse discurso é tão vazio – Alegra-te – Lembra-te da minha verdade, o meu único tesouro, o meu tudo como eu sou o teu. Os deuses devem-nos mandar paz… Teu fiel Ludwig”

Magnífico, não?


Vejam uma palhinha de Machado para Carolina, que era extremamente culta: "Tu pertences ao pequeno número de mulheres que ainda sabem amar, sentir e pensar." 






Fonte: http://super.abril.com.br/blogs/historia-sem-fim/5-cartas-de-amor-escritas-por-personagens-historicos/