nnn

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Publiquei no Empório...


Reconto
(baseado em fragmento da obra de Tennessee Williams, Um Bonde Chamado Desejo)

Ela ouviu, por entre os jasmineiros, correrem passos pesados e rudes, e conservara-se assim absorta por questão de minutos, segundos, até que perdera a noção do tempo.
Que me importa? - pensou, depois de ter-se ocupado com assunto sério que resolveria de vez aquela dúvida que a angustiava, desde o dia em que resolvera casar-se.
Seus pensamentos a fazem voltar a si, um quarto de hora depois:
Que importa? Gozemos as aparências...
Naquela noite, foram os três juntos ao Moon Blanche, brincando e rindo, durante toda a trajetória, que para Ellise Cheadion pareceu arrastar-se uma vida inteira!
Finalmente, ouvem ao longe o som, em tom baixo, de uma valsa inquietante, que mexeu com a ansiedade de Ellise.Dançaram e riram ao som de Mademoiselle Matilde, e, no meio da dança, ele a segura com força, dá-lhe um terno beijo e sai correndo pelo enorme e requintado salão; porém,desta vez, misteriosamente, ela não consegue ou não deseja alcançá-lo, antevendo talvez que se o fizesse colocaria por terra a sua grande chance. Sabia que estava ficando mais claro, cada vez mais claro...
Ellise agora, plena de certezas, vislumbra o aposento, iluminado pelo farol cortante de uma locomotiva. Avista-o, entre surpresa e aliviada, sair daquele quarto, e junto com ele, recompondo-se todo, ele, seu melhor amigo de infância!
Nesse momento, ouve-se um disparo, que parecia vir da piscina. Constataram-se fatos, pediram a ela que não se aproximasse. Vencendo batalhas interiores, e com uma ternura despida de acusações, Ellise toma o amado nos braços: - é apenas um menino, com uma
doçura e uma delicadeza que não são próprias de um homem - pelo menos não dele - mas é apenas um menino.

O engano, agora, já não tinha mais lugar nem razões para existir.

Postar um comentário