terça-feira, 19 de outubro de 2010

Série - Bibliotecas - X



Amados,


Para esta décima postagem da série Bibliotecas,  escolhi um dos mais belos textos que já vi, escrito por quem entende do riscado... e do bordado !!! 
Fiquei apaixonada por ele.


A autora? Minha querida amiga Si , do blog De Si Para Si, da cidade do Porto, Portugal. Imaginem que a Si queria colocar "pontos finais" em suas lindas linhas coloridas e brilhantes...tsc, tsc...então, fui  lá em Portugal navegando numa Barca de Flores*, pedir gentilmente a ela que não fizesse isso, Si, que  as laçadas do é, as perninhas do á e os rabinhos do quê são muito importantes para nós, para que teçamos juntas histórias encantadoras como essa que ela escreveu! 




"...às vezes distraio-me de mim e, sem querer, vou."!

E assim, de laçada em laçada, ela vai tecendo suas linhas...






Para  seu prazer e deleite, esse momento de gostosa leitura:



O Bibliotecário de Sonhos




"Naquela casa imponente vivia um homem só.
Na tabuleta suspensa no portão do fim da cerca, dizia 'Proibida a Entrada'.
Mesmo assim, entrei.
Avancei pelo caminho calcetado de musgo, a afundar os pés. Por momentos fui raíz  trepadora da vereda acima, um passo e outro a querer pertencer ali; pela sedução, pelo mistério das coisas que não sabia.
Deixei pendente um suspiro ao chegar ao colosso de lenho vivo transformado em porta. Rangendo, cedeu-me a vontade de prosseguir na descoberta e ele nem deu por mim.
Estava sentado numa cadeira de fumo e movia-se, cadeira e tudo, com a destreza que só os Etéreos possuem: de um lado para o outro, acima, abaixo e mais além; carregado sem esforço, de volumes de caixas decoradas com símbolos secretos.
Deslocava-as com um girar do indicador, apontando em várias direcções da vasta sala, pequena afinal para a imensidade da função: ali se guardavam, metodicamente, todos os sonhos da raça humana; os de grandeza, os puros, os pecaminosos, infantis, coloridos, a preto e branco. Até os cor-de-rosa, os de voar e de cair, todos catalogados, seriados e identificados, prontos a usar; bastaria um girar de indicador.
Deslumbrei-me. 
Quis levar os melhores comigo, escolhê-los a dedo para sonhar bem toda a vida; quis povoar-me de noites evadidas de destinos já urdidos, sonhar alto e alcançar os nunca sonhados. 
Quando dei por mim, sonhava.
O bibliotecário de sonhos catalogou-me, seriou-me, identificou-me e guardou-me numa caixa decorada com símbolos secretos.
Na tabuleta suspensa no portão do fim da cerca, dizia 'Proibida a Saída'."



E  para fundo musical, 'Dreamcatcher' dos Secret Garden...!!!


Precisamos mais?????????


Parabéns, Si, tua história muito me comoveu, e espero que meus amigos tenham apreciado também!!



Sim "porque viver é um  privilégio absoluto", não é , amiga??rs




Postar um comentário