sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

"Por sobre o verde turvo do amplo rio, os circunflexos brancos das gaivotas..." F. Pessoa


'Há amigos que são mais queridos que um irmão', dizem as Sagradas Escrituras. Amigos nascidos em plena 'blogosfera' então, não se compara!

Eles não estão vendo nossos corpos!
Eles não estão olhando dentro de nossos olhos!
Eles não sentem a textura de nossas mãos...
Não veem,
Não olham,
Não enxergam.
Mas sentem!
Sentem a ternura desdobrada que lhes dedicamos.
Sentem o perfume que fica em nossas mãos, depois que lhes entregamos flores.
Sentem o sinal 'marca registrada' de nossa alegria quando nos visitam!
E sabem!
Ah, e como sabem! Eles não apenas desconfiam, mas sabem o quanto de ternura empregamos em tempo, tempo único, raro, precioso, só para lhes agradar ou agradecer!
Sabem quando estamos tristes, mesmo que não façamos uma letra miúda, não estamos escrevendo a lápis ou a caneta, ou a bico de pena...
Esses amigos!
Sabem o quê de entrega pura e genuína há em nós, depois que fomos cativados por eles...
E cá entre nós...
Nós também somos capazes de tudo isso, pois amamos com eles, sofremos, choramos, nos alegramos, vivemos seus dramas, seus dias, sua própria vida agora é também nossa!
Interferimos em suas necessidades, pois eles mesmos permitem que façamos isso e se sentem bem, aliviados e agraciados com tão grande desprendimento nosso!
Contagiados por um sentimento que nem sabemos descrever, queremos protegê-los, ser sua 'Única Fã número Um', e se pudéssemos seríamos mesmo, e as únicas a comentar em suas postagens, crendo ainda que 'aquela foi escrita especialmente para nós'...
Esses amigos!!!
Sabem da nobreza e do alcance de suas atitudes para conosco!
E cá entre nós...
Nós também somos capazes de tudo isso... não somos?

Graça Lacerda

Postar um comentário